Taylorismo

O professor tentou mostrar como Taylorismo não é "exploração de operário". Segundo ele, Taylor está mais preucupado no 'não-desperdício' (ou seja, na otimização dos processos).

O operário, conforme Taylor, é uma mão-de-obra barata, abundante e desqualificada (qualquer chibungo), que serve à organização com seu corpo e que trabalha pra comer (porque se não trabalhar, morre de fome).

Taylor
  • sugere a valorização do operário;
  • pressupõe a Administração como sendo uma ciência;
  • propõe:
    • a divisão racional do trabalho;
    • cronometragem dos tempos médios das operações;
      • quem trabalhasse mais rápido receberia incentivo salarial;
    • um equilíbrio entre a prosperidade da empresa e a prosperidade do funcionário.
Assim, se o operário produz em menos tempo que o tempo médio padrão, ele deve ser recompensado com um incentivo salarial. Porém, se o operário produz demora mais que o tempo médio padrão, ele deve ser demitido, por prejudicar a prosperidade da empresa.

[Custo mínimo????? escrever algo sobre]


A grande contribuição do Taylorismo foi a organização racional do trabalho, que fragmentou uma grande operação em várias pequenas operações mais simples, onde o funcionário poderia se especializar em apenas uma parte do processo produtivo. O operário especializado, assim, não sabe bem como tudo se compõe, sabe apenas a sua função, ficando dessa forma alienado do processo produtivo completo.

Um exemplo atual de ambiente onde as coisas funcionam com uma tendência Taylorista são os Call Centers, onde o funcionário trabalha sem saber exatamente como se encaixa seu serviço no meio da empresa, seguindo apenas as instruções de forma alienada, com seu serviço fragmentado, cumprindo apenas metas.

Paztejamos

Introdução à Administração (ADM01101)

Eu não tive empenho pra colocar as coisas aqui de forma organizada durante o semestre. Mas como eu tenho que estudar pra prova vou atualizar esse post pra ver se aprendo. Além disso, vários dos comentários aqui são (ou são baseados em) o xerox do caderno daquela guria que circula entre os cursantes da disciplina.


Conteúdo das Aulas

Introdução.

I - Taylorismo.
  1. Organização Racional do Trabalho;
  2. Especialização;
  3. Lei da Fadiga;
  4. Lei da Prosperidade.
II - Teoria Clássica (Fayolismo).
  1. Antecedentes Históricos;
  2. Princípios Organizacionais;
  3. Funções;
  4. Perfil do Administrador.
III - Escola das Relações Humanas.
  1. Antecedentes;
    1. Recessão anos 20;
    2. Sindicalismo;
    3. Avanços da Psicologia Social.
  2.  Psicologia Social;
    1. Conceito 'Grupo' X 'Família';
    2. Caso Azaléia;
    3. Caso Telet (claro);
    4. Conceito 'Pequeno Grupo' X 'Massa';
  3. Experiência de Hawthorne.
    1. Antecedentes;
    2. 1ª Fase;
    3. 2ª Fase;
IV - Burocracia.

V - Estruturalismo (Amitai Etzioni).
  1. Conceito de Dialética;
  2. Conceito de Estrutura;
  3. A Dialética Marxista;
  4. Tipologia Organizacional;
  5. Elementos Básicos da Organização.
VI - Teoria Neo-Clássica (Peter Drucker).
  1. Sociedade de Organizações;
  2. Responsabilidade Social;
  3. Administração por Objetivos;
  4. Caso Gboex.
VII - Behaviorismo/Comportamentalismo (Herbert Simon).

VIII - Teoria Geral dos Sistemas (Ludwig Van Bertallonffy).

Paztejamos

Matemática Financeira

Essa é a página raíz da parte de Matemática Financeira. Como o conteúdo é relativamente pequeno (em relação a outras partes da matemática), acho que vou finalizar com facilidade essa parte.

Me inspirarei no que eu aprendi em aula e, mais precisamente, em um livro chamado "Matemática Financeira" do professor Wili Dal Zot, que foi um material realmente útil pra aprender essa matéria que, no fim das contas, nem é tão dificil.

Porém, antes de começarmos a falar de Matemática Financeira, precisamos que você aprenda alguns Conceitos Básicos dessa área, que nortearão todo nosso estudo adiante. Sugiro que leia a descrição de todos os conceitos antes de clicar nos links e ver como eles interagem.

Objetivo da Matemática Financeira: A matemática financeira tem por objetivo estudar a evolução do dinheiro ao longo do tempo.

Juros (J): Juro é a quantia a mais que se paga por ter pego dinheiro emprestado. Por exemplo, se eu emprestar 100 reais pro Almir e dizer pra ele que quando ele me devolver eu quero que ele me dê 110 reais, estou cobrando 10 reais de juros pra emprestar a ele.

Principal (P, VA, C, VP): Principal é o valor que se aplica, ou que se paga, ou que se usa. Enfim, é o dinheiro que está em jogo no início e aquele em que se aplica os juros e outros encargos. No exemplo anterior, em que emprestei ao Almir, ele é os 100 reais. O principal também é conhecido como Capital, ou Capital Inicial.

Prazo (n, t): Prazo é o tempo. Sem nenhum mistério. No meu exemplo do Almir, vamos supor que eu emprestei pra que ele me devolvesse daqui a 3 meses. Esses 3 meses é o Prazo. Não estranhe usarmos a letra n nas formulas: acho que usam essa letra porque algumas formulas colocam o tempo como sendo um valor em potência, e é hábito usar n pra representar um expoente que não se conhece.

Montante (S, M): Montante é basicamente "Principal + Juros". É o valor final. No exemplo do Almir, são os 110 reais que ele vai me devolver no fim, ou seja, 100 de Principal e 10 de Juros.

Prestação (R): Quem é que nunca comprou numa loja em crediário e teve que fazer em várias vezes. Cada uma das parcelas que se paga é uma Prestação. Se o Almir resolvesse que ia dividir aqueles 110 que eu emprestei pra ele e pagar em 3 parcelas mensais de R$36,67, a cada vez que ele me pagasse uma parcela, ele estaria pagando uma prestação.

Taxa de Juros( i ): Normalmente os juros não são determinados assim como no meu exemplo, em que eu disse simplesmente "te dou 100, tu me devolve 110". Geralmente as pessoas pegam o valor do dinheiro emprestado e calculam uma porcentagem desse valor que acham razoável cobrar de juros. No meu exemplo, os 10 reais de Juros são, na verdade, 10% do total. Esses 10% é minha taxa de juros.

[Sistema de amortização, análise de investimento, etc... ver o conteúdo que falta]
    Paztejamos

    O Que São Palavras Oxítonas, Paroxítonas e Proparoxítonas?

    Normalmente, quando faz tempo que agente não estuda Português, essas palavras soam familiares mas não nos dizem grande coisa. É coisa que agente lembra que estudou, mas não lembra mais pra que que serve.

    Oxítonas, Paroxítonas e Proparoxítonas estão, na verdade, relacionadas com a prosódia, que é a pronúncia correta das palavras.

    Uma palavra ser Oxítona signfica que ela tem como sílaba tônica sua última sílaba. Sílaba tônica é aquela sílaba que se fala com maior "intensidade" entre as demais. Palavras como "bordel" ou "fator" são oxítonas.

    Por outro lado, uma palavra Paroxítona é aquela que tem como sílaba tônica sua penúltima sílaba. Como exemplo, temos "carne", "rato" ou "casa".

    Por último, palavras com sua antepenúltima sílaba sendo tônica são Proparoxítonas. É interessante que se agente escrever uma palavra proparoxítona para uma criança ler, provavelmente ela vai ler como sendo paroxítona ou oxítona, dependendo da palavra. Isso por dois motivos: primeiro porque a criança não sabe pra que serve o acento; e segundo porque proparoxítonas não são palavras "naturalmente" faladas. Por exemplo, a palavra "mero" é proparoxítona porque tem acento na antepenúltima sílaba, caso contrário, falaríamos "numero". Outro exemplo é a palavra "laba": só falamos com a antepenúltima sílaba sendo tônica porque estamos acostumados e porque temos o acento, pois se não conhecêssemos a palavra, leríamos "silaba", com tonicidade na penúltima sílaba. Como as palavras proparoxítonas não são "naturais", todas as proparoxítonas da língua portuguesa são acentuadas!

    Paztejamos

    Regras de Acentuação Gráfica

    Para fazer acentuação na língua portuguesa existem apenas 6 regras. Antigamente eram mais, mas a reforma ortográfica deu uma facilitada. Pra iniciar, existem alguns princípios básicos para a colocação do acento:
    • Ele sempre é na sílaba tônica (aquela que se fala com mais intensidade entre as outras);
    • Nunca existe mais de um acento na palavra (simplesmente porque nunca existe mais de uma sílaba tônica).
    É importante destacar que acentos, na nossa língua, são apenas 2: o acento agudo ( ´ ) e o acento circunflexo ( ^ ). Assim, "tio" (~), trema ( ¨ ) e acento grave - também conhecido como crase - ( ` ) não são acentos. Dessa forma, pode haver acento em uma palavra com tio, como na palavra "órfão", por exemplo.

    [Antes de começar a acentuar proponho que aprenda um pouco de fonética. Além disso, é bom saber o que são Oxítonas, Paroxítonas e Proparoxítonas.]

    As regras de acentuação são como as leis: existe o caso geral e as exceções.

    As regras gerais são apenas 3:
    • Todas as proparoxítonas são acentuadas; [ex: cálculo, mero]
    • As oxítonas terminadas em a(s), e(s), o(s), em(ens) são acentuadas; [ex: cara, tapajós]
    • As paroxítonas não terminadas em a(s), e(s), o(s), em(ens) - inclusive ditongo - são acentuadas. [ex: nel, órgão.]
    Portanto,

    Além disso, existem 3 regras que tratam de casos especiais:
    • Regra do Hiato;
    • Regra do Ditongo Crescente;
    • Acento Diferencial.
    É importante destacar que essas são TODAS as possibilidades que existem de uma palavra ser acentuada. Assim, se a palavra não se encaixar em algumas dessas regras, ELA NÃO É ACENTUADA!

    [continuar~ e fazer posts paralelos para fonética. ~explicar as regras especiais]

    Paztejamos

    O Objetivo do Sistema Financeiro Nacional

    Qual a razão de ser do Sistema Financeiro Nacional? Por que ele existe?

    O Sistema Financeiro Nacional parte de uma idéia bem simples, que qualquer um tem ao receber seu salário: a idéia de que precisamos aproveitar nosso dinheiro ao máximo.

    Para explicar, vamos supor que o país é dividido em dois grandes grupões: o primeiro grupo, conhecido como grupo dos agentes superavitários, ou poupadores, é das pessoas que recebem mais que gastam; o segundo grupo, conhecido como grupo dos agentes deficitários, ou devedores, é o grupo das pessoas que gastam mais que recebem.

    Então, pra aproximar as coisas, vamos supor que o Jairo é do grupo dos superavitários e a Renata é dos agentes deficitários.

    Se não existisse o Sistema Financeiro Nacional, a Renata, que gasta mais que recebe, ia precisar bater de casa em casa procurando agentes superavitários que emprestem dinheiro pra ela. Como os agentes superavitários não conhecem a Renata, ou eles não emprestariam pra ela, ou cobrariam juros absurdamente altos, que ela não poderia pagar (ela já é devedora, com juros então, aí sim ela se atola).

    Por outro lado, o Jairo ia receber em sua casa um monte de devedores, e provavelmente só emprestaria para quem ele conhecesse e soubesse que ia pagar de volta.

    Dessa forma duas coisas poderiam acontecer:
    • Muita gente ia ficar com dinheiro estocado em casa, parado, sem gastar, o que não traria valor nenhum para esse dinheiro;
    • Muita gente ia ficar precisando de dinheiro sem ter a quem recorrer pra conseguir pagar suas dívidas.
    Assim, o Sistema Financeiro Nacional é um intermediário entre esses dois grupos de pessoas... um intermediário em quem tanto os poupadores quanto os devedores confiam.

    Os poupadores, quando colocam seu dinheiro no Sistema Financeiro Nacional, ao depositar no banco ou comprar um título, estão colocando seu dinheiro a disposição dos bancos e outras instituições para que eles emprestem aos devedores, na forma de um financiamento, ou no cheque especial, etc. Certamente que os devedores deverão pagar um juros pelo dinheiro que pegaram emprestado. Esses juros são direcionados em parte ao poupador, que não emprestaria seu dinheiro de graça.

    Paztejamos

    Depósitos a Prazo (CDB e RDB)

    Depósito a Prazo é um tipo de depósito que, quando eu não conhecia, confundia com a poupança. Isso porque o funcionamento dele é semelhante: eu deposito o dinheiro e daqui a um tempo ele tem um rendimento. A idéia é que eu deposito um dinheiro no banco e não posso sacar a qualquer momento, tenho que esperar um período pra poder sacá-lo de volta... por isso é um depósito "a prazo".

    As instituições que podem fazer essa operação, ou seja, captar depósito a prazo, são as seguintes:
    • Bancos Comerciais;
    • Bancos de Investimento;
    • Bancos de Desenvolvimento;
    • Bancos Múltiplos;
    • Cooperativas de Crédito*;
    • Caixa Econômica Federal;
    • [Banco Cooperativo pode?]
    *Destaque para a Cooperativa de Crédito, que só pode receber depósito a prazo dos associados, sendo que 30% do depósito a prazo que ela recebe vai para a Cooperativa Central a que ela está associada.

    Quando agente faz um depósito a prazo, agente pode receber em troca um Recibo ou um Certificado. O recibo se chama Recibo de Depósito Bancário (RDB) e o certificado se chama Certificado de Depósito Bancário (CDB). Existem diferenças entre os dois.

    O RDB é um recibo, portanto não pode ser negociado. Pode-se no máximo desistir da aplicação, recebendo o dinheiro de volta sem rendimento nenhum. Já o CDB é negociável, portanto eu posso endossar o CDB e vender para outra pessoa. O CDB é, portanto, um título de crédito, uma promessa de pagamento que o banco faz pra ti quando recebe teu dinheiro, dizendo, por exemplo, "daqui há um mês eu te devolvo o dinheiro e te pago um rendimento de 0.5% por tu ter me emprestado esse valor".

    *As Cooperativas de Crédito não podem emitir certificados [isso significa que elas só fazem RDB?].

    O dinheiro recebido pelo banco em depósitos a prazo tem a seguinte destinação:
    • 15% do valor é dado para o governo como depósito compulsório, recebendo títulos públicos em troca [a remuneração é a taxa SELIC?];
    • 8% é dado como compulsório adicional, remunerado pela SELIC [recebe títulos públicos também?];
    • 77% é livre pro banco aplicar como e onde quer.
    Sobre o Imposto de Renda, como comentou um Anônimo:

    "Até 180 dias - 22,5%
    181 até 360 dias - 20%
    1 ano até 2 anos - 17,5%
    A partir de 2 anos - 15%

    Sendo que, ao final do contrato do CDB, não se pode prorrogar o prazo, ou seja, é preciso reiniciar todo o processo, ou seja, volta ao 1° dia. Lembrando que o primeiro mês há a incidência de IOF. 96% no 1/ dia, que vai diminuindo até o 30° dia, chegando a 0%, forçando que o dinheiro fique pelo menos 1 mês lá no banco. É isso =)"
    Paztejamos

    Depósitos a Vista

    Depósito a vista é aquilo que todo mundo está mais do que acostumado a fazer ao ir a um banco. É o ato de levar dinheiro no banco e depositar na conta corrente. Ou seja, então quando você vai ao banco e deposita dinheiro na sua conta ou na conta de alguém (seja pelo caixa ou com aquele envelope) está fazendo um depósito a vista. O depósito se chama "a vista" porque, a qualquer momento que você queira, o dinheiro pode ser retirado.

    As instituições que recebem esse tipo de depósito, ou seja, que captam depósito a vista, são as seguintes:
    • Bancos Comerciais;
    • Bancos Cooperativos;
    • Cooperativas de Crédito;
    • Caixa Econômica Federal;
    • Banco Múltiplo com carteira Comercial.
    As instituições que captam depósito a vista também são conhecidas como instituições bancárias ou monetárias, porque ao receber dinheiro elas podem multiplicar moeda.

    [faltou as porcentagens do depósito que vão para compulsório, que são livres, etc; alguém comenta aí se faltar mais alguma coisa]

    Paztejamos

    Acabou a Mamata

    Pois é pessoal.

    Foi o concurso domingo e segunda me dei o dia de recesso. Tive aula agora de noite e vamos voltar a atividade a partir de hoje de noite ou amanhã de manhã (vai depender do meu sono). Vou aproveitar a cadeira de estatistica e matemática financeira que vou fazer esse semestre pra escrever sobre isso aqui. Eu sei que pode ajudar alguém em algum concurso.

    Outra coisa é que eu soube (alguns amigos comentaram) que vai ter concurso pra Caixa e pro Banrisul ano que vem. Então caso estejam interessados em se preparar, comecem cedo, porque aí quando chegar perto da prova ninguém precisa se matar estudando. O edital da Caixa (do último concurso) já consta nesse blog e o edital do Banrisul eu devo botar em breve.

    Vou fazer os devidos links dos conteúdos de Conhecimentos Bancários que já estão disponíveis e quero ver se escrevo alguma coisa de português que, modéstia à parte, eu tenho um pouco de facilidade (apesar de não gostar muito). Tenho que aproveitar ao máximo esse começo de semestre enquanto o conteúdo de aula não acumula pra escrever o que der.


    Lembrando que vocês podem me comentar os concursos bancários de outras regiões do país - como o do BNB, BASA, etc - pra eu colocar aqui... além de poderem obviamente comentar cada post pra eu saber o que pode ser melhorado.

    É isso por agora,
    Paztejamos

    Prova do BB

    Opa pessoal.
    Eae, o que acharam da prova?
    Um amigo disse que estava esperando eu postar alguma coisa sobre a prova no blog, por isso eu vim até aqui.

    Passei as últimas horas discutindo sobre a prova com minha namorada. Sei já que errei algumas.

    Eu acho que fui bem, mas não garanto. Tomara Deus que eu tenha passado, estudei pra caramba.
    Agradeço ao Jessé que me conseguiu praticamente todo o material que eu usei pra estudar.

    _______________________________________

    Update: 
    Alguém me explica como posso saber se as provas estão na ordem certa e como alguém pode comparar os códigos do caderno (se pelo último número, ou qualquer coisa assim) e depois coloco o número que precisa aqui... caso contrário, daqui a 2 horas e 10 minutos (quando sair o gabarito) eu coloco o gabarito certo aqui e as minhas respostas no lado. Assim vão saber como fui.

    Pronto, resolvido o dilema xD
    Update2:

    Voltei aqui pra postar meus resultados. Foi assim:
    Português: 18 acertos;
    Atualidades: 9 acertos;
    Matemática: 9 acertos;

    Informática: 3 acertos;
    Conhecimentos Bancários: 11 acertos;
    Atendimento: 9 acertos.

    Fiz 59 acertos. Acho que com isso dá pra entrar na minha região. Fui paradoxalmente péssimo em informática e bancários, dois assuntos q eu pensava que ia me sair super bem. Foram as notas que me puxaram pra baixo, porque o resto da prova tive 90% de aproveitamento.

    Espero que vocês que frequentam esse blog tenham se saído bem e que os conhecimentos daqui tenham sido no mínimo úteis.

    Paztejamos

    Concurso do BaCen - Área 3

     Eis o conteúdo que caiu no concurso do BaCen, área 3 (a que eu me enquadro), último concurso. Pode ser que alguma coisa mude nos próximos editais, mas vou me basear nesse a princípio. Esse conteúdo está em destaque no blog porque quem sabe eu - o humilde autor desse blog - preste esse concurso daqui a uns anos.

    PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS - (PARA TODAS AS ÁREAS)


    ÁREA 3 
    • Operações Bancárias e Contabilidade de Instituições Financeiras;
    • Supervisão de Instituições Financeiras;
    • Direito Administrativo, Comercial e Penal;
    • Estatística;
    • Finanças;
    • Auditoria Governamental.
    Devo melhorar isso aqui daqui a um tempo. Mas como a graduação é grande eu não preciso me preucupar. Isso é apenas um projeto, uma "perspectiva" para o futuro.

    Paztejamos

    Updates Atuais

    Oi pessoas! =D
    Como dá pra notar logo abaixo, hoje fiz um monte de posts aparentemente sem noção. Na verdade, apesar de eu ter parado de postar nesse blog até o concurso do BB para fins de estudo, estou dando uma organizada nele. Para isso estou colocando algumas páginas que servirão de apoio para os próximos concursos.

    Estou colocandos os últimos editais de alguns concursos de banco. Aos poucos eu vou dando 'corpo' ao blog substituindo os editais por suas respectivas matérias. Eu sei que sozinho não vou conseguir fazer tudo sozinho, portanto conto com a ajuda de quem se dispor a vir aqui e comentar.

    Meus objetivos com tudo isso é:
    1- Estudar, principalmente, já que pretendo passar em concursos;
    2- Disponibilizar conteúdo gratuito, de qualidade e de fácil entendimento.

    Fazer conteúdo de qualidade é dificil - DIFICIL MESMO! - e eu não sou nenhum professor nem nada. Por isso conto com o feedback das pessoas ao escrever.

    Tenho trabalhado nessas coisas principalmente porque estou de férias da faculdade, estou sem trabalhar, e estou 'relaxado' pro concurso essa semana. Assim que as aulas começarem - e assim que eu for contratado pelo BB, se Deus quiser - pode ser que o blog dê uma murchada nos posts, mas acho que vou conseguir manter um ritmo de posts razoável.

    Alguns dos conteúdos de concurso são imutáveis (como matemática e português), assim, dá pra escrevê-los apenas uma vez e deixá-lo pronto, sem mais edições - a não ser aquelas que o deixem melhor, sem extendê-lo muito.

    Além disso há conteúdos imprevisíveis e inconstantes (como atualidades) sobre os quais eu acho que esse blog não deve dar conta - mas podemos tentar colocar links de apostilas de atualidades ou botar uma pessoa nesse blog que se disponha a postar só sobre isso.

    Enfim...
    Paztejamos

    Informática - Caixa (TI)

    Essa é a parte de informática do concurso da Caixa para os pólos de Tecnologia da Informação:
    • 1 Fundamentos de computação;
    • 2 Organização e arquitetura de computadores;
    • 3 Componentes de um computador (hardware e software);
    • 4 Sistemas de entrada, saída e armazenamento. Sistemas de numeração e codificação. Aritmética computacional;
    • 5 Princípios de sistemas operacionais;
    • 6 Características dos principais processadores do mercado;
    • 7 Aplicações de informática. Família Windows e UNIX;
    • 8 Desenvolvimento de sistemas. Metodologias de desenvolvimento. Análise e projeto estruturado. Modelagem funcional e de dados. Ferramentas de desenvolvimento de software e ferramentas CASE;
    • 9 Aspectos de linguagens de programação, algoritmos e estruturas de dados e objetos. Programação estruturada. Programação orientada a objetos;
    • 10 Bancos de dados. Organização de arquivos e métodos de acesso. Abstração e modelo de dados. Sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD);
    • 11 Linguagens de definição e manipulação de dados. Linguagem de consulta – SQL; conceitos e comandos PLSQL;
    • 12 Bancos de dados textuais;
    • 13 Linguagens de programação. 13.1 Tipos de dados elementares e estruturados. 13.2 Funções e procedimentos. 13.3 Estruturas de controle de fluxo. 13.4 Montadores, compiladores, ligadores e interpretadores. 13.5 Caracterização das linguagens de programação Visual Basic e Java. 13.6 Ambiente de desenvolvimento visual Visual Basic e Java. 13.7 Linguagens de programação orientada a objetos (Visual Basic e Java). 13.8 Linguagem de máquina;
    • 14 Redes de computadores. 14.1 Fundamentos de comunicação de dados. 14.2 Meios físicos de transmissão. 14.3 Elementos de interconexão de redes de computadores (gateways, switches, roteadores). 14.4 Estações e servidores. 14.5 Tecnologias de redes locais e de longa distância. 14.6 Arquitetura, protocolos e serviços de redes de comunicação. 14.7 Modelo de referência OSI. 14.8 Arquitetura TCP/IP. 14.9 Arquitetura cliente servidor. 14.10 Conceitos de Internet e Intranet;
    • 15 Caracterização das linguagens de programação COBOL e Java;
    • 16 Qualidade de Software: Conceitos gerais e principais objetivos do modelo CMMI - Capability Maturity Model Integration, ISO 12207, ISO 15504, MPS.BR e testes de software;
    • 17 Gestão do ambiente de TI: conceitos básicos de ITIL - Information Technology Infrastrutucre Library, COBIT - Control Objectives for Information and Related Technology, Governança em TI e BSC - Balanced Scorecard.
    Paztejamos

    Conhecimentos Bancários - Caixa (TI)

    Essa é a parte de Conhecimentos Bancários do Concurso da Caixa para os pólos de Tecnologia da Informação:
    • 1 Abertura e movimentação de contas: documentos básicos;
    • 2 Pessoa física e pessoa jurídica: capacidade e incapacidade civil, representação e domicílio;
    • 3 Cheque – requisitos essenciais, circulação, endosso, cruzamento, compensação;
    • 4 Sistema de Pagamentos Brasileiro;
    • 5 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN): Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos comerciais; caixas econômicas; cooperativas de crédito; bancos comerciais cooperativos; bancos de investimento; bancos de desenvolvimento; sociedades de crédito, financiamento e investimento; sociedades de arrendamento mercantil; sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários; sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários; bolsas de valores; bolsas de mercadorias e de futuros.
    Paztejamos

    Noções de Informática - Caixa

    Essa é a parte de Noções de Informática da Caixa:
    • 1 Conceitos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações: ambiente Microsoft Office, BR Office;
    • 2 Sistemas operacionais: Windows e LINUX;
    • 3 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet e intranet;
    • 4 Conceitos de organização e de gerenciamento de informações, arquivos, pastas e programas;
    • 5 Certificação e assinatura digital.
    Paztejamos

    Conhecimentos Bancários - Caixa

    Esse é conteúdo da Caixa na parte de Conhecimentos Bancários:
    • 1 Abertura e movimentação de contas: documentos básicos;
    • 2 Pessoa física e pessoa jurídica: capacidade e incapacidade civil, representação e domicílio;
    • 3 Cheque – requisitos essenciais, circulação, endosso, cruzamento, compensação;
    • 4 Sistema de Pagamentos Brasileiro;
    • 5 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN): Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos comerciais; caixas econômicas; cooperativas de crédito; bancos comerciais cooperativos; bancos de investimento; bancos de desenvolvimento; sociedades de crédito, financiamento e investimento; sociedades de arrendamento mercantil; sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários; sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários; bolsas de valores; bolsas de mercadorias e de futuros; Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC); Central de Liquidação Financeira e de Custódia de Títulos (CETIP); sociedades de crédito imobiliário; associações de poupança e empréstimo; Sistema de Seguros Privados: sociedades de capitalização; Previdência Complementar: entidades abertas e entidades fechadas de previdência privada;
    • 6 Noções de política econômica, noções de política monetária, instrumentos de política monetária, formação da taxa de juros;
    • 7 Mercado Financeiro - mercado monetário; mercado de crédito; mercado de capitais: ações – características e direitos, debêntures, diferenças entre companhias abertas e companhias fechadas, funcionamento do mercado à vista de ações, mercado de balcão; mercado de câmbio: instituições autorizadas a operar; operações básicas; contratos de câmbio – características; taxas de câmbio; remessas; SISCOMEX;
    • 8 Mercado Primário e Mercado Secundário.
    Paztejamos

    Legislação Específica - Caixa

    Legislação específica da parte de conhecimentos básicos do concurso da Caixa:
    • 1 Lei nº 7.998/90 (Programa Desemprego e Abono Salarial - beneficiários e critérios para saque); (FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento - GFIP; Cartão do Cidadão); Lei Complementar n.º 7/70 (PIS);
    • 2 Princípios Constitucionais da Administração Pública: Princípio da Legalidade, Princípio da Impessoalidade, Princípio da Moralidade Administrativa, Princípio da Publicidade e Princípio da Responsabilidade Administrativa.
    Paztejamos

    História e Estatuto da Caixa

    Essa seção é o que o nome diz:
    • 1 História e Missão da CAIXA (disponível no site da CAIXA www.caixa.gov.br );
    • 2 Estatuto da CAIXA (Da Denominação, Sede, Foro, Duração e Demais Disposições Preliminares, Dos Objetivos, Do Pessoal).
    Paztejamos

    Atendimento - Caixa

    O Conteúdo de Atendimento da Caixa é o que vem a seguir:
    • 1 Legislação: Lei n°. 8.078/90; Código de Defesa do Consumidor; Resoluções CMN/Bacen nº. 2.878/01 e nº. 2.892/01 e alterações posteriores; Código de Defesa do Consumidor Bancário; Lei nº. 10.048/00; Lei nº. 10.098/00; Decreto nº. 5.296/04;
    • 2 Marketing em empresas de serviços: Marketing de relacionamento;
    • 3 Satisfação, valor e retenção de clientes;
    • 4 Propaganda e promoção;
    • 5 Telemarketing;
    • 6 Vendas: técnicas, planejamento, motivação para vendas, relações com clientes;
    • 7 Segmentação de mercado versus segmentação do setor bancário.
    Paztejamos

    Ética - Caixa

    A parte de Ética da Caixa é a seguinte:
    • 1 Conceitos: ética, moral, valores e virtudes;
    • 2 Ética aplicada: noções de ética empresarial e profissional;
    • 3 A gestão da ética nas empresas públicas e privadas;
    • 4 Código de Ética da CAIXA (disponível no sítio da CAIXA na internet);
    • 5 Código de conduta da alta administração pública.
    Paztejamos

    Matemática - Caixa

    Esse é o conteúdo de Matemática pro concurso da Caixa:
    • 1 Funções exponenciais e logarítmicas;
    • 2 Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos: capitalização e descontos;
    • 3 Taxas de juros: nominal, efetiva, equivalentes, proporcionais, real e aparente;
    • 4 Rendas uniformes e variáveis;
    • 5 Planos ou Sistemas de Amortização de Empréstimos e Financiamentos;
    • 6 Cálculo financeiro: custo real efetivo de operações de financiamento, empréstimo e investimento;
    • 7 Avaliação de Alternativas de Investimento;
    • 8 Taxas de Retorno.
    Paztejamos

    Língua Portuguesa - Caixa

    O conteúdo de português pra Caixa é o seguinte:
    • 1 Compreensão e interpretação de textos;
    • 2 Tipologia textual;
    • 3 Ortografia oficial;
    • 4 Acentuação gráfica;
    • 5 Emprego das classes de palavras;
    • 6 Emprego do sinal indicativo de crase;
    • 7 Sintaxe da oração e do período; 
    • 8 Pontuação;
    • 9 Concordância nominal e verbal;
    • 10 Regência nominal e verbal;
    • 11 Significação das palavras.
    Paztejamos

    Caixa Econômica Federal

    CONHECIMENTOS BÁSICOS (comuns a todos os polos)

    CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - para todos os polos que não são de TI (Tecnologia da Informação)
    CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (exclusivamente para os polos de Tecnologia da Informação)
    Paztejamos

    Direito Constitucional - BaCen

    O conteúdo de Direito Constitucional que cai no BaCen, segundo o edital, é o seguinte:
    • 1. Princípios fundamentais da Constituição da República;
    • 2. Direitos e garantias fundamentais: direitos e deveres individuais e coletivos e direitos sociais;
    • 3. Organização do Estado: União, Estados, Municípios e Distrito Federal;
    • 4. Administração pública;
    • 5. Servidores Públicos;
    • 6. Organização dos poderes: Poder Legislativo, Poder Executivo e Poder Judiciário;
    • 7. Processo legislativo;
    • 8. Finanças Públicas: normas gerais.
    Paztejamos

    Português

    Logo devo escrever direitinho sobre os assuntos aqui constados.
    • 1. Compreensão e interpretação de textos;
    • 2. Tipologia textual;
    • 3. Ortografia oficial;
    • 4. Acentuação gráfica;
    • 5. Emprego das classes de palavras;
    • 6. Emprego do sinal indicativo de crase;
    • 7. Sintaxe da oração e do período;
    • 8. Pontuação;
    • 9. Concordância nominal e verbal;
    • 10. Regência nominal e verbal;
    • 11. Significação das palavras;
    • 12. Redação e correspondências oficiais: Manual de Redação da Presidência da República;
     Paztejamos

    Habilidades no Atendimento

    O conteúdo de Habilidades no Atendimento é bem desconexo, são várias leis e conceitos meio 'dispersos'. O assunto se divide em:

    • [Defesa do Consumidor]Código de Defesa do Consumidor, Código de Defesa do Consumidor Bancário (Resolução do CMN nº 3694): são leis que falam sobre os direitos que o consumidor têm quando compra um produto ou serviço;
    - Comentário do Código de Defesa do Consumidor Bancário (Resolução nº 3694 do CMN);
    - Código de Defesa do Consumidor - Vídeos;
    • [Acessibilidade]Leis nº 10.048, nº 10.098 e decreto nº 5296: tratam sobre o direito dos deficientes, com mobilidade reduzida, assim como aqueles que são idosos, gestantes, ou com criança de colo;
    - Comentário da Lei 10.048/00;
    - Comentário da Lei 10.098/00;
    • [Sac]SAC (decreto lei nº 6523) e Resolução do CMN nº 3849: versam sobre os serviços de ouvidoria que as instituições são obrigados a prestar;
    - Comentário do Decreto 6.523/08;
    • [Marketing]Marketing em empresas de serviços  e Etiqueta empresarial: na minha opinião, uma balela besta, relativamente óbvia, basta entender os conceitos;
    Como o assunto é 'bagunçado', resolvi botar toda a legislação num link:
    Paztejamos

    Conhecimentos Bancários

    O conteúdo desse blog está aos poucos sendo migrado, e essa página já pode ser encontrada em http://jeangamboa.blogspot.com.br/2015/05/conhecimentos-bancarios.html.

    ----
    Como prometido, temos uma página com esse nome. Apesar de esse também ser o nome do blog, não temos só esse conteúdo, então resolvi que precisaríamos de uma divisão adequada.

    Os assuntos principais de Conhecimentos Bancários estão nas seguintes divisões:
     - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional;
     - Produtos e Serviços Financeiros;
     - Garantias do Sistema Financeiro Nacional;
     - Mercado de Capitais e Câmbio;
     - Lavagem de Dinheiro.

    O conteúdo no menu a esquerda vai se apresentar de maneira cronológica, enquanto aqui ele será apresentado de maneira sistemática. Usem da forma que acharem mais conveniente.

    Paztejamos

    Banco do Brasil

    O conteúdo do Concurso do Banco do Brasil está dividido na seguinte forma.

    Conhecimentos Básicos:
    • Português;
    • Atualidades;
    • Matemática e Raciocínio Lógico.
     Conhecimentos Específicos:
    Qualquer mudança nos próximos concursos eu altero aqui.

    Paztejamos

    Chegamos ao fim da linha (pelo menos por agora)

    Pessoas, hoje é quarta feira de noite. Estamos a meia semana da prova do BB no domingo e eu quero avisar que não vou escrever mais até lá.

    Vou parar de postar porque tem outros assuntos pra estudar (português, matemática, informática, atualidades) e eu quero dar uma boa olhada nesses assuntos quinta e sexta. Sábado acho que eu vou tirar o dia pra relaxar e estar bem tranquilo na hora da prova.

    Assim que passar o concurso começa imediatamente minhas aulas e vou ter cadeiras com assuntos que caem em concursos [como português, matemática financeira, informática e economia]. Como essa pequena experiência de blog trouxe muito bom resultado, tanto no sentido de eu aprender escrevendo quanto no sentido de ter boa aceitação do pessoal, acho que vou tentar incorporar esses outros assuntos ao blog de alguma forma que eu ainda não sei. Até porque, mesmo que eu passe no BB, a probabilidade de eu prestar outros concursos é bem grande.

    Paztejamos pessoal,
    boa prova e até mais.

    Derivativos

    Derivativos são contratos que se relacionam com outros bens. Por exemplo, um contrato onde eu recebo 100 reais para me comprometer a vender um carro ao José caso ele queira. Ou também um contrato onde eu me comprometo a pagar 100 reais por um saco de café daqui a 6 meses. Esses exemplos são contratos derivativos.

    [preciso de uma definição melhor, alguém que queira colaborar, pode se manifestar :p]

    Existem 4 tipos de contratos derivativos:
    • A Termo;
    • Futuro;
    • Opção;
    • Swap.
    [explicar]

    Paztejamos

    Ações de Fruição

    Ações de fruição são ações que, apesar de terem sido quitadas, o seu dono continua desfrutando delas. Por isso também se chamam 'ações de gozo'.

    Imagine, por exemplo, que tem um sócio com ações quaisquer, ordinárias ou preferenciais. Aí, por algum motivo é decido que vai se fruir essas ações (eu não sei como é esse processo de decisão, provavelmente não deve partir só do acionista). Assim, as ações são 'amortizadas'. O dono das ações pode continuar participando das assembleias apesar de não ter mais direito a voto, e continuará recebendo dividendos e bonificações como os outros acionistas.

    Amortizar essas ações é pegar o valor total delas e dividir igualmente entre os acionistas. Quando esse acionista morrer, essas ações desaparecem. [alguém me explica melhor essa parte]

    Paztejamos

    Ações Ordinárias

    As ações ordinárias são ações em que o acionista tem o direito de votar durante as decisões da empresa. Tipo, se eu sou acionista das Lojas Renner, por exemplo, e tenho ações ordinárias, quando a Lojas Renner fizer uma assembleia com seus acionistas para tomar alguma decisão eu tenho direito a voto.

    Paztejamos

    Ações Preferenciais

    As ações preferenciais não dão direito a voto. Então na assembleia geral da empresa, se eu tiver ações preferenciais, não tenho 'voz'. Só posso votar numa situação específica: se a companhia não der lucro durante 2 períodos de balanço.

    Porém, se a empresa quebrar, quem tem ações preferenciais tem a preferência para receber a sua parte (daí vem o nome). Além disso, na hora da divisão do lucro ela também recebe primeiro.

    Paztejamos

    Arbitradores

    Arbitradores são personagens do Mercado que não querem ter risco. As operações que eles fazem é sempre na tentativa de não ter risco.

    [tentar explicar]

    Paztejamos

    Especuladores

    Especuladores são pessoas que compram imaginando que o objeto da compra vai valorizar, ou render lucro. Por exemplo, se eu compro ações pelo valor de R$15,00 esperando que suba pra R$18,00, eu estou especulando.


    Mas o termo é bem mais genérico, não precisa se aplicar necessariamente ao Mercado de Ações. A pessoa que compra um apartamento por R$70.000 achando que consegue vender o apartamento por R$75.000 também está especulando.

    O especulador é especialmente importante para os Hedgers no mercado de Derivativos, principalmente se o hedger é um agricultor, porque enquanto o Hedger vende na época do plantio a um preço que lhe garanta algum lucro, o especulador compra, considerando que talvez mais adiante o valor possa subir.

    Portanto, especulador não é um trambiqueiro, ou um personagem mal intencionado no mercado, mas apenas mais um participante.

    Paztejamos

    Hedgers

    Hedgers são pessoas que buscam segurança. A palavra deriva do termo Hedge, que em inglês significa "segurança".

    O hedger é um cara que quer garantir seu lucro pelo que ele produziu. Por exemplo, vamos supor que um agricultor, produtor de arroz, gastou 20 reais por saca para plantar o seu arroz. Só que, quando ele foi vender, dali a 6 meses na época da colheita, o arroz estava valendo 18 reais a saca. Se ele vender a 18 reais, ele vai ter perda de 2 reais. Quem é que produz algo para vender mais barato que quando produziu? Por isso ele faz Hedge.

    Para se proteger, logo que o produtor planta o arroz, ele vende um contrato no mercado que diz que, quando ele colher dali a 6 meses, ele se compromete a entregar o arroz a 24 reais a saca. Assim ele garante o lucro de reais por saca. Se o arroz for a R$18, ele garantiu os R$24. Se o arroz for a R$6, ele garantiu os R$24. Se o arroz for a R$50, ele garantiu os R$24.

    Não interessa quanto varie o valor do arroz, ele já garantiu o seu lucro.

    [os exemplos são só pra explicar. Na verdade eu não sei quanto custa o arroz, nem quanto tempo demora para colher]

    Paztejamos

    O que são Ações?

    Ações são pedacinhos de empresas. Quando eu compro uma ação, estou comprando um percentual de uma empresa. Por exemplo, vamos supor que a Jæn Corporation dividiu a empresa em 100 ações, ficou com 50 e colocou 50 a venda. Quando eu compro uma das 50 ações disponíveis, eu estou comprando 1% da empresa. Logo, quando a empresa crescer, 1% do lucro distribuido é meu [só por questão de exemplo, já que o lucro de uma empresa não necessariamente precisa ser todo distribuido].

    As ações antigamente eram 'materializadas' em papel. Ou seja, quando eu comprava a ação, eu ganhava um papel, como se fosse uma escritura, dizendo que eu tinha X% de uma determinada empresa. Aí eu levava essa ação pra casa e guardava numa gaveta ou num cofre ou em qualquer lugar dentro de casa. Mas esse sistema era muito problemático: imagina se roubassem minha casa ou se ela pegasse fogo. Para resolver isso foi criada a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CLBC, que é um sistema de registro eletrônico, também conhecido como Câmara de Compensação (clearing). Assim, hoje em dia, quando alguém compra uma ação, em geral ela é 'arquivada' na CLBC, que registra o nome do novo dono da ação, o valor da ação, o nome da empresa de que ela faz parte, etc, como se fosse uma conta corrente, só que em vez de dinheiro, temos ações. Essas são as ações que chamamos de escriturais.

    Porém, ainda existe a ação em papel, conhecida como nominativa, que é impressa numa cautela.

    Fique atento com os nomes maldosos. Quando um título de crédito é nominativo significa que ele tem o nome do dono, ou seja, não é ao portador. Ser ao portador significa que o título de crédito é de qualquer um, ou seja, é de quem esta carregando ele no momento. Hoje em dia a lei define que o único título de crédito que pode ser ao portador é o cheque até R$100. Portanto, as ações escriturais também são nominativas, apesar de se dizer que a ação é nominativa quando é impressa numa cautela.

    Existem 3 tipos de ações:
    Paztejamos

    O que é IPO e Follow On?

    Quando uma empresa quer colocar suas ações a venda na bolsa, existe um processo todo para que ela seja "listada" - ou seja, para que apareçam as ações dela para serem negociadas na bolsa. Esse processo, chamado IPO (Initial Public Offer), funciona assim:

    A empresa contrata uma instituição que a avalia para ver se ela preenche os requisitos necessários pra entrar na bolsa, além de ver qual o valor ideal pra vender a ação, quantas ações devem ser vendidas, etc... Essa instituição pode ser um Banco de Investimento, uma Distribuidora ou uma Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Depois dessa análise, a empresa entra efetivamente na bolsa, abre seu capital e lança suas ações a venda.

    É importante destacar que esse processo se dá apenas na primeira vez que a empresa está colocando ações na bolsa. Quando ela já está listada na bolsa o processo se chama Follow On.

    Outro detalhe importante é que tanto o IPO quanto o Follow On pode ser feito em mercado primário e secundário. Por exemplo, a empresa pode, num IPO, vender ações que já existem e estão no domínio de um acionista; de igual forma, a empresa pode, numa operação de Follow On, colocar novas ações a venda.

    Portanto, resumindo:
    • IPO - quando a empresa está abrindo o capital, ou seja, entrando na bolsa;
    • Follow On - quando a empresa que já tem seu capital aberto lança mais ações na bolsa.
    Paztejamos

    O que é Mercado Primário e Secundário?

    Mercado primário e secundário têm a ver com quantas vezes um produto foi comercializado. O produto de primeira mão, é comprado pela primeira vez, está sendo vendido em mercado primário. O produto que já foi comercializado mais de uma vez, de segunda mão, é comercializado no mercado secundário.

    Então por exemplo, eu vou numa concessionária da Fiat e compro um carro zero kilômetro. Quando eu faço isso, estou comprando esse carro no mercado primário. Dali a 6 meses eu resolvo que quero vender esse carro. Levo meu carro na revendedora e a revendedora compra. Quando eu vendo na revendedora, estou vendendo no mercado secundário. A revendedora prontamente coloca o carro a venda e o Gilberto chega e compra esse carro. Quando ele faz isso, ele está comprando no mercado terciário? não, no mercado secundário também.

    Assim, na primeira negociação do bem, é sempre mercado primário. Já nas outras negociações passa a ser mercado secundário.

    Paztejamos

    Bolsas

    As Bolsas são espaços próprios para negociação. Aconteceu mais ou menos assim: em algum momento da história os donos de empresas resolveram que precisavam de um espaço para fazer seus negócios, vender e comprar ações de companhias para captar recursos ou fazer sociedades, etc. Assim as bolsas surgiram, pra suprir essa necessidade.

    Antigamente, os negócios eram feitos num espaço físico, com pessoas recebendo ligações de compra e venda de ações aos gritos o tempo todo durante o período de "pregão". Com o tempo, houve avanços tecnológicos e em 1997 a Bovespa - que é era principal Bolsa de Valores - comprou um sistema chamado Mega Bolsa. Esse sistema substituiu os pregões "viva voz" (como eram chamados os pregões feitos na base do grito) por um sistema que pode ser operado pela internet, usando um programinha chamado Home Broker. Portanto hoje os pregões são eletrônicos.

    Tudo bem, agora já sabemos o que é uma bolsa e como funciona. Mas o que é negociado dentro da bolsa? Depende. Antigamente havia uma diferenciação entre o que era negociado na Bovespa e o que era negociado na BM&F - que eram as principais bolsas existentes no Brasil. Atualmente a Bovespa se uniu com a BM&F e formou a BM&FBovespa S.A., também conhecida como Nova Bolsa. Na BM&FBovespa pode-se negociar tanto ativos quanto derivativos, inclusive pode-se negociar as ações da própria bolsa, que é uma entidade com fins lucrativos, visto que é uma Sociedade Anônima.

    É importante destacar que existem, sim, outras bolsas no país. Mas a BM&FBovespa é a principal e aquela que provavelmente deve ser cobrada na prova. Portanto, quando eu me referir a Bolsa nos textos desse blog, certamente vou estar me referindo a BM&FBovespa.

    Bom, mas quando eu quero negociar na bolsa, eu não posso simplesmente fazer download de um Home Broker na internet e sair usando. Eu preciso primeiro fazer um contrato com uma intermediária que me "leva" até a bolsa. Essa intermediária é uma Corretora ou uma Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários.

    Além disso, quando uma empresa quer colocar suas ações a venda na bolsa, ela precisa fazer um IPO (Initial Public Offer). Já quando a empresa já tem ações na bolsa e quer colocar mais, ela faz um processo chamado Follow On.

    [O que é IPO e Follow On?]

    Paztejamos

    Mercado de Capitais

    [Este é um assunto em que eu sou bastante precário, portanto, me corrijam e comentem bastante, porque pode ser que eu entenda uma coisa diferente do que é.]

    A definição de Mercado de Capitais é bem difícil de fazer [eu acho]. Toda vez que eu compro ou vendo alguma coisa, estou operando no mercado de capitais.

    É interessante que, antes de se continuar, entenda-se o que é Mercado Primário e Secundário, e o que são Ações.

    O Mercado de Capitais é dividido em duas grandes partes:
    Os negócios que não são feitos na Bolsa são conhecidos como negócios de balcão. Por exemplo, se o Mário comprar um martelo do Luigi, ele está fazendo um negócio de Balcão. Agora se, por exemplo, o Mário comprar uma casa do Luigi, ele terá que ir a um cartório registrar essa compra. Ao fazer o registro, essa compra caracteriza-se como uma compra em um balcão organizado.

    Outra coisa importante é que o objeto do negócio pode ser de dois tipos:
    Além disso, as pessoas que participam do Mercado de Capitais se comportam de maneiras diferentes, conforme o seu objetivo. Daí pode-se observar um padrão na forma de as pessoas agirem, que permite que se criem tipos de operadores do Mercado de Capitais. São eles, basicamente:
    É importante lembrar que o Mercado de Capitais é fiscalizado pela CVM.

    Paztejamos

    Comitê de Política Monetária

    O Comitê de Política Monetária - COPOM é uma reunião que ocorre 8 vezes ao ano, acontece em duas partes - a primeira na terça-feira e a segunda na quarta-feira - e serve basicamente pra definir a taxa meta Selic e seu eventual viés, além de analisar o Relatório de Inflação.

    A taxa Selic é a taxa básica de juros. O que o COPOM define é meta Selic porque na verdade a taxa não é arbitrária [pelo que eu entendi, existe um cálculo para ela], portanto o objetivo é definir a meta e tentar usar das políticas monetárias pra alcançar essa meta.

    O viés é uma possibilidade que o COPOM dá ao presidente do BaCen de alterar a taxa de juros entre as reuniões. Se o COPOM definir, por exemplo, que a taxa de juros vai ser 12% com viés de alta, o presidente do BaCen pode, entre uma reunião e outra, aumentar a taxa, se achar conveniente. Por outro lado, se for decidido por viés de baixa, o presidente pode diminuir a taxa. Por fim, pode ser definido sem viés, que significa que a taxa tem que ficar ali nos 12% cravadinha, até a próxima reunião. Importante: não existe viés neutro(!) para a prova, apesar de se falar em viés neutro como um sinônimo de sem viés. Então se a prova perguntar quantos tipos de viés existem, a resposta é 2: de alta e de baixa.

    É interessante citar que as decisões do COPOM servem para que se atinjam as metas de inflação definidas pelo CMN. Caso isso não aconteça, o presidente do BaCen é obrigado a escrever uma carta aberta ao Ministro da Fazenda explicando porque não foram alcançadas as metas de inflação.

    No fim de cada trimestre o COPOM divulga o relatório de inflação, que é um texto que analisa e economia e divulga as projeções econômicas para o futuro.


    Participam dela, com voto, 7 diretores e o presidente do BaCen, que tem voto de qualidade (se a votação empatar, ele desempata). Além disso existe um grande número de outros representantes sem direito a voto [eu imagino que não caiam esses representantes].

    [se faltar alguma coisa, me comentem]


    Paztejamos

    Operações de Redesconto

    Para entender as Operações de Redesconto, é aconselhável primeiro que se entenda as Operações de Mercado Aberto.

    Os bancos as vezes ficam sem dinheiro por motivos diversos. Os redescontos são basicamente empréstimos que o BaCen faz aos bancos que precisam.


    Pode parecer estranho o banco ficar sem dinheiro, mas imagine que, por exemplo, o Banco do Brasil tenha recebido 100 reais que o Almir depositou e perdido 70 reais que o Bruno sacou. Logo em seguida a impressora da agência estragou e o concerto vai sair por 50 reais. Deixando de lado a complicação que o poder multiplicador dos bancos pode causar no nosso exemplo, como o BB vai pagar o concerto da impressora? O BB não pode mandar um funcionário ir correndo atrás do Bruno pra pedir 20 reais de volta. Para isso o BB pega dinheiro emprestado com outros bancos ou com o próprio BaCen.

    Para emprestar dinheiro, o BaCen pede como garantia os TPFs. A operação se chama redesconto porque quando o banco compra o TPF, ele compra mais barato que valor escrito, portanto, eu 'desconto' o título. Quando eu passo esse título pro BaCen, o BaCen quer ganhar um dinheiro em cima, portanto eu 'redesconto" o título.


    Resumindo: se o banco têm TPFs e precisa de R$1000 em dinheiro, ele entrega R$1100 em TPFs pro BaCen e recebe R$1000 em espécie (dinheiro na mão). Quando ele arranjar dinheiro de volta pra pagar o BaCen ele resgata os TPFs que ele entregou. O BaCen deve cobrar uma taxa e pronto. Está feito o redesconto.

    Paztejamos

    Títulos Públicos Federais

    Títulos Públicos são títulos que o governo emite e oferece para que os bancos e até mesmo a população compre. Comprar esses títulos significa emprestar dinheiro pro governo. Como ninguém empresta dinheiro de graça, o governo define uma data de 'vencimento' dos títulos, que é o dia em que o governo vai te dar o dinheiro de volta mais um valor de juros. Note que quem compra "sente" como se estivesse fazendo um investimento. Por exemplo, se eu comprar um título de R$100 e, no vencimento, receber R$110, meu investimento teve rendimento de 10%.

    Antigamente esses títulos eram papeis onde havia escrito algo como "pago por esse título a quantia de X" e constava a assinatura do governo assumindo essa responsabilidade. Assim, as pessoas levavam esses papeis pra casa e colocavam dentro de alguma gaveta ou de um cofre. Isso causava muitos transtornos: se minha casa fosse assaltada ou incendiada, por exemplo, eu poderia perder o título. Logo, com o avanço da tecnologia eles deixaram de ser escritos e passaram a ter apenas registro eletrônico. Portanto, hoje em dia, se alguém compra um título público, um sistema eletrônico do Governo cria um registro onde especifica o valor e o nome da pessoa que comprou o título, e ela sabe que dali a tantos dias, quando chegar o dia do vencimento, ela pode ir lá pegar seu dinheiro de volta junto com o lucro.

    Os Títulos Públicos podem ser Municipais, Estaduais ou Federais. Dependendo do tipo, ele é registrado em um sistema eletrônico diferente. Os títulos Federais são todos registrados num sistema chamado SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia). Além deles, os títulos públicos Municipais e Estaduais até 1992 foram registrados também na SELIC. A partir de janeiro de 1992 os títulos públicos Municipais e Estaduais passaram a ser registrados em outro sistema chamado CETIP (Central de Liquidação Financeira e de Custódia de Títulos).

    A SELIC e a CETIP conhecidas como clearings, ou Câmaras de Compensação.

    [uma coisa que não cai na prova, mas é interessante: Títulos Públicos Federais rendem em média a Taxa Selic, que é a taxa básica de juros do país. A taxa Selic é a maior taxa básica de juros do mundo! Além disso o PT, durante esses 8 anos de governo, tem demonstrado grande interesse de continuar pagando essa dívida direitinho. Portanto esse é um investimento com alto rendimento e com relativamente baixo risco. Esses títulos são a dívida pública do país, aquilo que o Plínio - candidato do PSOL - chamava de "bolsa banqueiro" nas últimas eleições. Assim, se tiver interesse em comprar, sugiro que entre em Tesouro Direto... lá tem todas as informações.]

    Paztejamos